Registro da conversa entre Akram Zaatari e o pesquisador e curador Moacir dos Anjos no acerca da poética do artista a partir dos trabalhos apresentados na exposição Amanhã vai ficar tudo bem. O evento ocorreu no Galpão VB, durante a mostra invidual dedicada à Zaatari.

 

Akram Zaatari (Sidon, Líbano, 1966​) é artista visual e curador, e um dos fundadores da Fundação Árabe da Imagem. Sua obra transita entre a fotografia, o vídeo e o cinema, sendo marcada por uma importante pesquisa sobre o patrimônio visual no contexto cultural árabe. Através dela, Zaatari investiga questões relativas à identidade e às percepções sociais do corpo e do desejo, além dos vínculos entre memória individual e narrativa coletiva. Desenvolvida em duas grandes frentes, uma abertamente política e histórica e outra mais explicitamente ligada às conformações da sexualidade – sobretudo a masculina –, a obra de Akram Zaatari constitui-se como uma ampla reflexão sobre a memória visual e as formas de representação imagética. Participou de exposições coletivas como a Trienal de Turim (2008), as bienais de Istambul (2011), Veneza (2013) e São Paulo (2006), e da dOCUMENTA 13 (Kassel, 2012). Teve diversas exposições individuais como Projects 100: Akram Zaatari, no MoMA de Nova York (2013), e a mostra UNFOLDING no Moderna Museet, Estocolmo (2015). Seus trabalhos integram as coleções da Tate Modern, Londres, do Centre Georges Pompidou, Paris e do MoMA . Vive e trabalha em Beirute, Líbano.
Moacir dos Anjos (Recife, Brasil, 1963) é pesquisador e curador de arte contemporânea da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife. Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM (2001-­2006) e pesquisador visitante no centro de pesquisa TrAIN – Transnational Art, Identity and Nation, em Londres (2008­-2009). Foi curador da Bienal de São Paulo (2010) e das mostras Cães sem Plumas (MAMAM, 2014) e A Queda do Céu (Paço das Artes, 2015). É autor dos livros Local/global – arte em trânsito (Zahar, 2005) e Arte Bra Crítica (WMF Martins Fontes, 2010), além de editor do Caderno Videobrasil 8: Pertença (2013).