• 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Panoramas do Sul

    18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Panoramas do Sul

  • 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Panoramas do Sul

    18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | Panoramas do Sul

  • 18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | 30 Anos

    18º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil | 30 Anos

  • 17º Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil

    17º Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil

Criado em 1983 por Solange Farkas, sua curadora geral desde então, o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil foi ao longo dos anos se consolidando como uma plataforma diversificada e múltipla voltada para a difusão, o fomento e a reflexão em torno da produção artística do Sul Global.

O termo Sul Global se refere a um campo de investigação utilizado pelas ciências humanas e as artes e relacionado à condição cultural, econômica e política de países e territórios à margem da modernização hegemônica. Posicionando-se neste debate, a Associação Cultural Videobrasil e o Sesc São Paulo elegem como foco privilegiado de atenção, a produção de artistas oriundos de regiões em cujo âmbito essa discussão é pertinente. Cientes do caráter transitório desta noção, as duas instituições orientam suas ações para constante reavaliação do estatuto desse dispositivo. Com realização bianual, o Festival, assim, busca identificar, divulgar e debater a produção emergente desse circuito, abarcando todas as linguagens e suportes artísticos da área das artes visuais.

Seleção via Open Call

A seleção de artistas, feita através de convocatória aberta e realizada por uma comissão formada por curadores convidados, configura-se como estratégia democrática e vital para o Festival. O Open Call possibilita a construção de um espaço de visibilidade, diálogo e produção de conhecimento sobre a arte produzida nesses países.

Acervo Histórico Videobrasil

Os artistas selecionados com obras em vídeo têm seus trabalhos incluídos no Acervo Histórico Videobrasil, composto pelos vídeos selecionados em todas as edições do Festival. Parte da coleção da Associação, o Acervo Histórico, é objeto da política de preservação e salvaguarda da instituição, que garante ainda sua promoção e divulgação, por meio de ações permanentes de ativação.

Premiação e itinerância

O Festival concede prêmios em dinheiro e prêmios de residência artística com oito semanas de duração em instituições ao redor do mundo, parceiras do Programa de Residências Videobrasil. Os artistas premiados são indicados por júris de premiação, formados por nomes importantes no cenário internacional.

Os artistas premiados também recebem troféus criados a cada edição por artistas como Carmela Gross, Erika Verzutti, Luiz Zerbini, Raquel Garbelotti, Rosângela Rennó e Tunga, entre outros.

Como parte da missão da Associação, o Festival possibilita ainda a circulação e ampliação do acesso ao trabalho dos artistas premiados por meio do projeto de Itinerâncias do Festival. As suas obras são apresentadas em novas exposições que acontecem nas sedes do Sesc São Paulo em cidades do interior do estado, nos anos subsequente a realização do Festival.

Difusão e reflexão

Os artistas selecionados têm seus trabalhos difundidos em plataformas digitais de pesquisa, sites, redes sociais da Associação Cultural Videobrasil, assim como em documentários e vídeos para redes sociais, produzidos pela organização. O Festival promove ainda encontros de programas públicos com conversas, cursos, oficinas e lançamentos de publicações que reúnem os artistas, curadores, críticos, pesquisadores, representantes de instituições e de residências artísticas em torno da reflexão e discussão de temas urgentes relacionados à arte e à cultura. O Festival busca desta forma intensificar e ampliar a colaboração entre artistas, povos e culturas, fomentando diálogos e estabelecendo debates horizontais que evidenciem o trânsito de ideias e práticas no mundo contemporâneo.

As publicações bilíngues produzidas pelo Festival incluem textos reflexivos e críticos, imagens das obras e do processo criativo dos artistas selecionados, expandindo os esforços da instituição para além do período de realização do evento, possibilitando, sobretudo, sua circulação internacional. Mais do que o registro do Festival, essas publicações constituem uma parte importante do projeto curatorial, essencial para que ele alcance seus objetivos de difusão e reflexão em torno dos temas propostos a cada edição.

Histórico

Em sua primeira edição, realizada em 1983, o Festival reuniu a safra pioneira de artistas e realizadores de vídeo, tornando-se a primeira grande iniciativa dedicada a estimular a produção e exibição de trabalhos nessa linguagem. Nos anos seguintes, o Festival continuou inovando, incorporando as criações em arte eletrônica e configurando-se como um espaço de experimentação e risco.

A partir de 1992, quando passa a ser realizado em parceria com o Sesc São Paulo, o Festival se expande e se afirma como referência internacional, definindo seu foco geopolítico em torno dos países do Sul Global.

O Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil também assumiu um importante papel de fomentar o diálogo entre a produção artística do Sul e o trabalho de artistas já consolidados, de diferentes regiões do mundo, tendo apresentado mostras de OlafurEliasson (Dinamarca); Bill Viola, Gary Hill e Coco Fusco (EUA); Peter Greenaway (Reino Unido); Marcel Odenbach (Alemanha); AkramZaatari (Líbano); FabrizioPlessi (Itália); Robert Cahen (França); Eder Santos, Chelpa Ferro, Waly Salomão (Brasil), entre outros.

Em 2011, a 17ª edição do Festival assinalou novas e importantes mudanças, abrindo convocatória para seleção de obras de todas as linguagens das artes visuais, sem restrições de suporte ou técnica.

O 19º Festival, realizado em 2015, teve mais uma inovação, com o lançamento de dois editais: um de obras e outro de projetos. Foram produzidas, pela primeira vez, quatro obras comissionadas com o acompanhamento dos curadores dessa edição. Os projetos foram apresentados no Galpão VB, espaço da Associação inaugurado com esta exposição.

Mantendo seu perfil de inovação, o 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil acontece em 2017, oferecendo três Prêmios de Aquisição, com valor em dinheiro, para as obras em vídeo que passam a fazer parte do Acervo Sesc de Arte Brasileira, e cinco prêmios de residências artísticas, cada um deles oferecido por um júri especifico, internacional. A 20ª edição do Festival acontece entre outubro de 2017 e janeiro de 2018 no Sesc Pompeia.