Ao longo de suas três décadas, o Videobrasil delineia novos contextos para a imagem em movimento, culminando na abertura do Festival para diversas linguagens artísticas, em 2011. O último foco contextualiza a trajetória do Festival em relação às histórias das exposições e aos movimentos da cena artística brasileira.

A mesa analisa os grandes ciclos de transformação do Videobrasil, relacionando-os às mudanças na cena de arte contemporânea no Sul nas últimas três décadas. Com Solange O. Farkas, Moacir dos Anjos, Arlindo Machado, Eduardo de Jesus e Gabriel Priolli Netto / Mediação: Teté Martinho.

Arlindo Machado (São Paulo, Brasil, 1949) Doutor em comunicações, é professor de pós-graduação em comunicação e semiótica da PUC/SP e do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da ECA/USP. É autor de A ilusão  especular (Brasiliense) e A arte do vídeo (Brasiliense).

Eduardo de Jesus (Belo Horizonte, Brasil, 1967) Curador e professor do programa de pós-graduação da Faculdade de Comunicação e Artes da PUC-MG. Foi cocurador de Densidade Local, Festival Transitio-MX, Cidade do México (2008). Integrou a comissão curadora da mostra Panoramas do Sul.

Gabriel Priolli Netto (São Paulo, Brasil, 1953) Jornalista e diretor de televisão. Foi membro do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional. Goulart de Andrade (Rio de Janeiro, Brasil, 1933) Jornalista, criou o polêmico Comando da madrugada, que estreou na Globo em 1978.

Moacir dos Anjos (Recife, Brasil, 1963) Pesquisador e coordenador de artes visuais da Fundação Joaquim Nabuco (Recife). Foi curador do pavilhão brasileiro na 54ª Bienal de Veneza (2011) e da 29ª Bienal de São Paulo  (2010), e cocurador da 6ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre (2007).

Solange O. Farkas Fundadora da Associação Cultural Videobrasil e curadora- geral do 18º Festival. Foi diretora e curadora-chefe do Museu de Arte Moderna da Bahia de 2007 a 2010, e curadora convidada das bienais de Charjah (Emirados Árabes Unidos) e Cerveira (Portugal) em 2011.

Teté Martinho (Rio de Janeiro, Brasil, 1963) Jornalista cultural desde o fim dos anos 1980. Passou por veículos como Folha de S.Paulo, Jornal da Tarde e Bravo!. Editora independente, é coordenadora editorial do Videobrasil.