Vive e trabalha em São Paulo.

Diretor e fotógrafo de cinema, televisão e publicidade, estudou arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro e cinema na Escola Superior de Cinema São Luiz, em São Paulo. Em 1966, foi repórter fotográfico. Colaborou em inúmeros filmes do chamado Cinema Marginal entre final dos anos 1960 e meados da década de 1970, tendo sido câmera e diretor de fotografia do decisivo O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla. Em 1970, dirigiu seu primeiro longa, República da Traição, à época censurado pelo regime militar e nunca lançado comercialmente. Realizou também fotografia para televisão, como a de O povo brasileiro (2000), ganhador do Grande Prêmio Cinema Brasil de TV em 2001. Além de fotografar, Ebert dedica-se ao ensino de cinematografia digital, a publicações sobre cinema e à Associação Brasileira de Cinematografia - ABC, onde ocupou o cargo de vice-presidente entre 2002 e 2004, e hoje é um dos diretores.