Solange Farkas é curadora e diretora da Associação Cultural Videobrasil. Criou o Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, evento de que é também curadora-geral e que se tornou referência para a produção artística do Sul geopolítico do mundo, além de ter trazido ao Brasil nomes de peso da arte internacional, como Bill Viola, Gary Hill, Marina Abramovic, Olafur Eliasson e Peter Greenaway.

Ao lado das mostras promovidas durante as edições do Festival, também foi responsável por exposições como as de Sophie Calle (Cuide de Você, 2009) e Joseph Beuys (A Revolução Somos Nós, 2010). Em 2012, assinou a curadoria de Geopoéticas, exposição do britânico Isaac Julien no Sesc Pompeia, em São Paulo.

Como curadora convidada, participou da 10ª Bienal de Charjah (Emirados Árabes Unidos, 2011), 16ª Bienal de Cerveira (Portugal, 2011), 5th Videozone: International Video Art Biennial (Israel, 2010), FUSO – Mostra Anual de Videoarte (Portugal, 2011 e 2013) e 6th Jakarta International Video Festival (Indonésia, 2013). Integrou, em 2014, o comitê consultivo do holandês EYE Prize.

Entre os destaques de seus 25 anos de carreira como curadora, estão exposições como a Mostra Pan-Africana de Arte Contemporânea (Salvador, 2005); La Mirada Discreta: Marcel Odenbach & Robert Cahen (Buenos Aires, 2006); Roteiro Amarrado (CCBB Rio de Janeiro, 2010) e Suspensão e Fluidez (ARCO, Madri, 2007), ambas em torno da obra do artista brasileiro Eder Santos; e Mostra Africana de Arte Contemporânea (2000), em parceria com Klive Kellner, com artistas como William Kentridge, Zwelethu Mthethwa, Sue Williamson, Oladele Ajiboye Bamgboye e Kendell Geers.

Diretora e curadora-chefe do Museu de Arte Moderna da Bahia de 2007 a 2010, realizou na instituição exposições de artistas como Bob Wolfenson, Carlito Carvalhosa, Chelpa Ferro, Claudia Andujar, Daniel Senise, Mario Cravo Neto Tatiana Blass e Thomaz Farkas. Participações recentes em eventos incluem Global Art Forum (Doha, Qatar, 2014), Georgia State University (Atlanta, EUA, 2014), RioContentMarket (Rio de Janeiro, Brasil, 2014) e Tilting Axis (Saint George, Barbados, 2015). Em 2015, foi convidada a integrar o comitê de conteúdo do UN Live Museum, o Museu pela Humanidade da Organização das Nações Unidas (ONU); o júri de premiação da 10éme Rencontres de Bamako, a bienal africana da fotografia; e o seminário Media in Transition, organizado pela Tate Modern em parceria com o Getty Conservation Institute, Getty Research e apoio da New Art Trust.