Realização |
  • Fotoptica
  • Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo
Direção geral |

Texto de apresentação do Festival

Na 6a edição do Festival, realizada no Museu da Imagem e do Som, é notável a maior qualidade dos inscritos. Além disso, experiências que juntavam vídeo e música apareceram com força. Foi o caso, por exemplo, de Juliette, dirigido por Sandra Kogut com música do performático Fausto Fawcett, que falava do surreal afogamento de mulatas em tequila na praia de Copacabana. Experiências no gênero musical também apareceram no destacado Andréia Andróide. O grande vencedor da Mostra Competitiva foi Duelo de Deuses, documentário sobre a expansão das igrejas evangélicas via TV no Brasil, explorando o fenômeno da “telefé” e dos “bispos eletrônicos”, que continuaria a se fortalecer pelo mundo.

Para as mostras paralelas, pela primeira vez, o Festival recebeu convidados internacionais. O curador Daniel Minaham, do centro de mídia The Kitchen, de Nova York, trouxe duas seleções especiais da videoarte americana. A artista americana Aisha Quinn também ganhou retrospectiva de sua produção em vídeo.

Uma parceria com a TV Gazeta deu origem ao inovador Videojornal, um boletim especial dedicado à programação do Festival. Foi a primeira vez que uma emissora fez uma cobertura ao vivo e exibiu os premiados em sua grade.

Pela primeira vez, a edição do Festival teve uma pequena parte do orçamento financiada com recursos públicos pela Lei Sarney. Os convênios com centros de mídia possibilitaram a premiação dos vencedores da Mostra Competitiva com bolsas de estudos.

Programação

mostra competitiva

Mostra dos Tapes em Concurso

Na 6a edição do Festival, é notável a maior qualidade dos inscritos, com destaque para as experiências que juntavam vídeo e música. Dos 174 inscritos (87 U-Matic e 87 VHS), foram selecionados 35 vídeos (22 U-Matic e 13 VHS), de 46 realizadores brasileiros.

mostra de filmes e/ou vídeos

"Minhoca de Camera Man", Ney Piacentini e Marlio Silva

Ney Piacentini e Marlio Silva criaram uma personagem-vinheta que brincava metalinguisticamente com o vídeo e com a TV, num exercício em cima do trabalho cotidiano dos profissionais da área. 

Mostra Internacional: Alemanha

A Mostra Internacional reuniu obras da Alemanha, Estados Unidos e Inglaterra. A representação alemã contou com a presença do artista Wenzel Jacob, a convite de Geraldo Anhaia Mello, numa parceria com o Instituto Goethe.

Mostra Internacional: Aysha Quinn

Retrospectiva da artista norte-americana Aysha Quinn, cuja atuação vem marcando a cena da videoarte e da performance desde a década de 1970, combinando sua formação em teatro com dança, música e vídeo.

Mostra Internacional: Daniel Minahan

A convite de Geraldo Anhaia Mello, o artista Daniel Minahan mostra duas produções de destaque de sua autoria, Hart Island Chronology e Aesthetics and/or Transportation. Minaham é diretor do The Kitchen, um dos mais importantes centros de vídeo e arte.

Mostra Internacional: Estados Unidos

A Mostra Internacional dedicada à produção norte-americana contou com uma seleção de obras por parte do diretor do Video Data Bank, Mindy Faber, incluindo os artistas Branda Miller, Carole Ann Klonarides, John Sturgeon, Laurence Andrews e Michael Owen.

Mostra Internacional: Inglaterra

A Mostra Internacional reuniu obras da Alemanha, dos Estados Unidos e da Inglaterra. A seleção inglesa foi representada pelos artistas Atalia Shawa, Catherine Elwes, Graham Young, John Goff, Liz Power e SvenHarding, e contou com a parceria do British Council.

exposição

"Cabine de Vídeo #2", Sandra Kogut

Videoinstalação da artista Sandra Kogut, composta por uma cabine de uso individual, equipada com uma poltrona e um monitor, onde era exibido um vídeo ao som de Brian Eno.

documentação

Videojornal

Fruto da parceria com a TV Gazeta, o programa pioneiro é uma espécie de boletim videográfico diário do Festival que documentou as atividades do evento a partir de um miniestúdio que gerava imagens para um circuito interno de TV.